sexta-feira, 15 de setembro de 2017

do ilusório

todas as coisas parecem tão inúteis
quanto sempre foram,
o lado esquerdo da cama,
vazio,
os poemas não terminados,
a porta esquecida aberta...

pedaços e pedaços
de uma poesia gasta e repetitiva

cotidiano raso
e esquecível.

eu me sinto inacabada,
tateando as bordas de mim
pelo escuro.

e já é setembro...

me deixo no lado esquerdo da cama,
espero outubro,
e finjo dormir.

tudo é pouco mais que
sonho.